Solstício de verão - Litha





Então chegou o fim do reinado do Rei Carvalho e o começo do Rei Azevinho, representando o começo da metade escura da nossa roda do ano.




Esse é o sabá que marca o solstício de verão, é um dos meus sabás preferidos, pois é nele que honramos a terra, a grande mãe, sendo celebrando no dia 21 de dezembro no hemisfério sul e 21 de junho no hemisfério norte.






Energia do momento


É de pura celebração da vida e do amor, as casa estão cheias de alimentos que a terra fértil produziu, as árvores, folhas e frutos amadurecem em plena vitalidade de ser e as flores dão seus melhores perfumes, caminhe por sua rua e sinta o cheiro das flores de litha.









Hibisco

Tudo inspira e transpira vida, os casais estão mais próximos, e existe grande chance de encontrar alguém para amar, a atmosfera vibra em alegria. Clímax é a melhor palavra para esse momento, já que após o encontro do Deus e da Deusa em Beltane, eles seguem tão apaixonados e gozando de vida, a deusa é fecundada com toda a fertilidade do deus sol, e agradecemos.


Estamos na metade do nosso calendário da Deusa, aqui no HS e recebemos o máximo de luz vinda do astro Rei, isso nos envolve em uma atmosfera de pura alegria e renovação. Mas ao mesmo tempo que recebemos a maior quantidade de luz do ano, no próximo segundo começamos a perdê-la, simbolizando a luta entre os dois reis e irmãos gêmeos Carvalho e Azevinho, que logo ganha o irmão da face escura, nos trazendo a reflexão de um todo, da inevitável mudança, da dança da vida, da semente que carrega dentro de si o seu próprio oposto.


E percebemos e agradecemos a toda luz ofertada pelo Deus sol, que lentamente começa a caminhar em direção ao oceano do oeste para repousar em sua própria escuridão.





Como era celebrado o solstício de verão no mundo.



Nos países bálticos ( Estônia, Letônia e Lituânia) é celebrada a Deusa Saule a Deusa do Sol, regente da vida do nascimento e da morte com guirlandas de flores ao nascer do sol e fogueira no pôr-do-sol.







Nos pais Eslavos (Os eslavos são um povo originário da Rússia e que se espalhou pelo leste da Europa)





Europa eslava

  • Rússia, Bielorrússia e Ucrânia (eslavos orientais)

  • Polônia, República Tcheca e Eslováquia (eslavos ocidentais)

  • Bulgária, Croácia, Macedônia, Sérvia, Bósnia e Herzegovina, Kosovo, Eslovênia e Montenegro (eslavos meridionais).



é celebrada a Deusa Kupalo, deusa da magia, das ervas, das águas, e era costume fazer coras de flores e minis mulheres de palha para pular com ela a fogueira, fazer os rituais e no outro dias, deixa-la ir no percurso de um rio, levando com ela toda tristeza e dificuldade que se apresentava no momento.













Em Roma antiga era o tempo de celebrar á Vestália, um festival em honra ao fogo sagrado e ao lar de Vestia o mesmo de Héstia na grécia, esse momento de maior pico de luz do solstício de verão era celebrado abrindo-se as portas dos templos para as mulheres de Roma, principalmente as parteiras, que ao entrar deveriam estar descalças e com os cabelos soltos para fazer seus rezos.






Na Grécia a Festa era de Epona, a Deusa equina da Gália, protetora dos viajantes e dos cavalos. Nascida da união de uma égua com um Deus, ela era considerada um símbolo de fertilidade, invocada nas coroações dos antigos reis celtas para garantir sua soberania. Até o século XI, os reis irlandeses ainda "casavam" com a Deusa por meio de suas sacerdotisas.

Em Creta, na Grécia, o solstício de verão marcava o ano novo, a renovação da terra, o fim da colheita do mel, onde a deusa enviava o zumbidos das abelhas que anunciava uma nova experiência solar, a regeneração da terra.

Na Europa o costume é celebrar a data do santo São João, primo de Jesus Cristo, com muitas festas, fogueira e dança típicas, e uma delas que hoje ficou bem conhecida no Brasil como quadrilha, que surgiu por influência portuguesa dos corridinhos, uma dança típica cujos passos se assemelham.



E a famosa dança do sol nos nativos norte-americanos e também dos nossos índios brasileiros que seguramente ritualiza a chegada do solstício de verão.





Na tribo do Texas ao Canadá a nação Sioux celebrava a dança do sol, tradicionalmente comemorada na primeira lua cheia do solstício de verão.

Era construído um pavilhão de madeira com 28 colunas e uma coluna central que representa Wakan Tanka ( o grande mistério) o centro de todas as coisas, onde tinha sua entrada no leste, no nascer do sol no equinócio.

A cerimônia completa durava 16 dias, sendo que 8 era de preparação, 4 de realização e 4 de abstinência, sendo o período de renovação, cura e purificação da terra e de si mesmo.

Tomas Mails pastor luterano que escreveu muito sobre as tradições nativos americanas diz o seguinte:

“ Quando a dança do Sol é realizada corretamente, no último dia e algumas vezes por outros dias, cada um daqueles homens é perfurado por dois espeto de madeira (algumas vezes, garras de águia) colocado sobre a pele do tórax. então, esses espetos são presos a uma corda resistente e a outra ponta dessa corda é amarrada na coluna do sol. Os homens, em um círculo em volta da coluna do Sol, vão para frente 4 vezes, rezando e tocando a coluna, e depois jogam se para trás com força, até que os espetos se querem ou saiam da pele dele. Um método alternativo é colocar dois espetos sobre a pele da parte superior da omoplata, esses espetos são então amarrados às cabeças de grande búfalos por tiras de couro. Os animais são arrastados ao redor do círculo por uma pessoa, até que o peso dele só tem ou quebre os espetos."

Para essa tribo o sacrifício da carne reafirma o profundo comprometimento com a roda da vida, vida morte vida, pois para eles não existem vida e renovação sem dor e sacrifício.

Talvez para nós, seja mais difícil compreendermos a importância da dor e do auto-sacrifício no contexto dessas culturas nativas, já que vivemos em uma sociedade que nos obriga a entorpecer os nossos sentidos e a esconder os nossos sentimentos, fraquezas, debilidades e dores.

Porém para essa tribo esses são fatores essenciais para sobrevivência dos humanos e todas as gerações da terra, somente vamos reconhecer a renovação do mundo reconhecendo o nosso lado sombra e luz.


Oração dos Índios Sioux

Esquecemos de agradecer à terra, que nos deu nosso lar.

Esquecemos de agradecer aos rios, lagos e oceanos, que nos dão suas águas.

Esquecemos de agradecer às árvores, que nos dão frutos e sementes.

Esquecemos de agradecer ao vento, que nos traz a chuva para molhar as plantas.

Esquecemos de agradecer ao sol, que nos dá calor e luz.

Todos os seres da Terra – as árvores, os animais, o vento e os rios dão-se uns aos outros.

Portanto, tudo está em equilíbrio.

Esquecemos nossas promessas para começar a aprender como permanecer em equilíbrio com toda a Terra.

Meditar sobre as as 20 leis do Sioux



Musica Nah bvey hi-ay

As 20 Leis dos Sioux”:

  1. Levante com o Sol para orar – Ore sozinho. Ore com frequência. O Grande Espírito o escutará você, ao menos, para falar.

  2. Seja tolerante com aqueles que estão perdidos no caminho – A ignorância, o convencimento, a raiva, o ciúme e avareza, originam-se de uma alma perdida. Ore para que eles encontrem o caminho do Grande Espírito.

  3. Procure conhecer-se por si próprio – Não permita que outros façam seu caminho por você. É sua estrada, e somente sua. Outros podem andar ao seu lado, mas ninguém pode andar por você.

  4. Trate os convidados em seu lar com muita consideração – sirva-os o melhor alimento, a melhor cama e trate-os com respeito e honra.

  5. Não tome o que não é seu – Seja de uma pessoa, da comunidade, da natureza, ou da cultura. Se não foi ganhado nem foi dado, não é seu.

  6. Respeite todas as coisas que foram colocadas sobre a Terra – sejam elas pessoas, plantas ou animais.

  7. Respeite os pensamentos, desejos e palavras das pessoas – Nunca interrompa os outros nem ridicularize, nem rudemente os imite. Permita a cada pessoa o direito da expressão pessoal.

  8. Nunca fale dos outros de uma maneira má – A energia negativa que você colocar para fora no universo, voltará multiplicada a você.

  9. Todas as pessoas cometem erros – E todos os erros podem ser perdoados.

  10. Pensamentos maus causam doenças da mente, do corpo e do espírito – Pratique o otimismo.

  11. A natureza não é para nós, ela é parte de nós – Toda a natureza faz parte da nossa família Terrena.

  12. As crianças são as sementes do futuro – Plante amor nos seus corações e água com sabedoria e lições da vida. Quando forem crescidos, dê-lhes espaço para que cresçam.

  13. Evite machucar o coração das pessoas – O veneno da dor causada a outros, retornará a você.

  14. Seja sincero e verdadeiro em todas as situações – A honestidade é o grande teste para a nossa herança do universo.

  15. Mantenha-se equilibrado – Seu mental, seu espiritual, seu emocional, e seu físico, todos necessitam ser fortes, puros e saudáveis. Trabalhe o seu físico para fortalecer o seu mental. Enriqueça o seu espiritual para curar o seu emocional.

  16. Tome decisões conscientes de como você será e como reagirá – seja responsável por suas próprias ações.

  17. Respeite a privacidade e o espaço pessoal dos outros – Não toque as propriedades pessoais de outras pessoas, especialmente objetos religiosos e sagrados. Isso é proibido.

  18. Comece sendo verdadeiro consigo mesmo – Se você não puder nutrir e ajudar a si mesmo, você não poderá nutrir e ajudar os outros.

  19. Respeite outras crenças religiosas – Não force suas crenças sobre os outros.

  20. Compartilhe sua boa fortuna com os outros – Participe com caridade.

Achado do ambientalista Rubens Harry Born, que indica como fonte: Sidur para receber o Shabat, Comunidade Shalom, São Paulo, 2002 , página 11.

Aspecto da Deusa



A Deusa agora está levando dentro de seu útero a semente da vida, a renovação da terra, o embrião sagrado que irá nascer e iluminar novamente o mundo. Nas sociedades antigas, a sobrevivência da tribo dependia de quantas crianças nasciam naquele ano, e a gravidez era vista como algo mágico, o despertar das forças dos antepassados que através de práticas xamânicas, ervas e rituais de fertilidade, fertilizada a mulher e a terra gerando seus frutos.

Símbolos de litha

A luz refletida na água, pois quando o sol toca a água, temos o encontro perfeito entre o Deus e a Deusa

  • Fogueiras

  • Tochas

  • Rodas solares em chama

  • Girassol

  • Fadas

  • Magia

  • Erva de são joão

  • Sol

  • Terra

  • Quadrilhas

Deusas



Isis,Afrodite, Aine, A Mãe do Milho, Anahita, Arianrhod, Astarte, Coatlicue, Freya, Caia, Inanna, Ishtar, Mawu e Rhiannon, entre outras.

Elementos

Água e fogo

Direção

Sul

Ervas sagradas- Lavanda, hipericão, arruda, sorveira, verbena, alecrim, flores de girassol, camomila, calêndula, laranjeira, galhos de hipericão, tomilho, alecrim e capim santo, louro, canela.


cores

Cores quentes que trazem a sensação do sol, laranja, vermelho, amarelo, dourado.

Como posso me conectar com a energia de Litha

Esse é o momento da magia dentro da roda do ano, se prepara vários amuletos, águas solarizadas, incensos, tudo com magia …

  • Reserve um pote de vidro com água, e o direcione ao leste ao nascer do sol, ritualize e imante a água com suas orações

  • Coque cristais e talismãs de poder, na direção do leste e transfira suas bênçãos a eles através dos chakras de suas mãos e com o seu rezo

  • Faça incensos naturais de lavanda e alecrim e reserve para purificar sua casa, trabalho, carro e seu corpo.

  • Reserve um punhado de erva de são joão, lavanda, alecrim, folha de laranjeira e flores típicas da sua região em um saquinho vermelho junto a um pedaço pequeno de carvão, sal grosso e cristais. Faça suas magias, imantando em um pedaço de papel, seus objetivos mais solares e coloque dentro do saquinho.

* Confeccione a roda do ano, através de galhos de árvores e decore com flores, penas e cristais.

  • Imante seu óleo sagrado, utilizando de óleo vegetal e óleo essencial de lavanda, alecrim, sândalo e yang lang


Nas culturas antigas, o solstício de verão era o tempo certo para as celebrações de casamento, até mesmo mais que em beltane, (já que este era o festival mais voltado à fertilidade) pois a terra está cheia de magia e promessas de um mundo renovado.


Na Europa esse festival de litha o solstício de verão foi absorvida pela festa cristã de São João, cujo seu nome se deve a erva usada em ritos mágicos para ter sonhos lúcidos.


À homenagem aos seres mágicos da natureza e às divindades foram substituídas pelas populares festas juninas.



Ritual de Litha


Para o ritual você irá precisar de:

Patuá de poder pessoal


  • Quadrado de tecido, paninho, saquinho ...

  • Folhas de louro

  • Sangue de dragão

  • Flores da estação

  • Cristal

  • Fita azul

  • Material para bordado

  • Símbolo pessoal de poder

  • Pedaço de madeira ou galho representando O deus carvalho.

  • 01 vela

  • 01 taça de água

  • 01 incenso

  • 01 Pão



Ritual de bênção do amuleto de proteção



Comece fazendo seu altar com os símbolos magico, vela, taça, incenso e o cristal


Com todos os itens prontos, abra o circulo magico invocando os elementos, com a adaptação da invocação abaixo de Starhawk


TERRA

Meus ossos, meu corpo, igual a terra, igual a montanha...

Meus seios, leite da vida que brota das nascente sagradas.

Meus cabelos,folhagem abundante da terra, grama fresca das trilhas do juremar.

Meu útero, raiz profunda, moldura natural, templo da vida.

Pela terra que é seu corpo, poderes do Norte envia sua força.


AR

Carregando a todos os que nas alturas planam, abelha e pássaro, doce aroma, lamento da tempestade, pensamentos e ideias sementes.

Transporte-nos pelo ar que é meu fôlego, poderes do Leste envie sua luz.


FOGO

Acenda meu coração, brilhe meu espírito, aqueça a chama do meu olhar, pois nele nada se perde, somos fagulha de fogo solar, espectro da vida.

Desperta o calor, pelo fogo que é seu espírito, poderes do Sul envia sua chama.


AGUA

Movimente meu sangue, lave-nos em suas ondas, na praia onde a deusa branca repousa, guardando nossas emoções e sentimentos, que possamos nos derramar leve, e transparentes como suas águas de seu útero vivo. Poderes do oeste enviem seu fluxo.



Agora comece a colocar cada item dentro da bolsinha de pano, e com bastante respeito, repita essas frases de integração com o sol, enquanto você coloca os itens dentro da bolsinha e a fecha.

  • Conheçam o mistério do círculo contínuo

  • Vejam o Deus penetrou no pão.

  • Ele nos alimentará

  • O sol está sobre a água

  • Ele saciará nossa sede

  • O deus está sobre o milho

  • E ele crescerá.

  • O Deus está sobre as árvores

  • E elas frutífera

  • O sol não está perdido

  • Ele renascerá

  • O sol está dentro de nós, veja como brilhamos

  • Nosso luz e poder solar

Agora para finalizar seu ritual coloque seu patuá no seu altar e so o retire na próxima celebração de litha, sirva-se de pão e vinho e celebre com uma dança que te traga calor e alegria


Blessed be.


Invocações retiradas e adaptadas do livro A Dança Cósmica das Feiticeiras - Starhawk

Referência - Anuário da grade mãe, círculos sagrados para mulheres contemporâneas


14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rua Amaro Agostinho dos Santos

Florianópolis

Santa Catarina - Brasil

Claudiane Pires Miguel

Email: Festivaldadeusabrasil@gmail.com
Tel: 5548999095989

Receba novidades do festival da Deusa

Siga a gente

  • Instagram ícone social
  • YouTube
  • Facebook ícone social

Fale com a gente

0